Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

ELEVADOS NÍVEIS DE POLUIÇÃO OBRIGAM PEQUIM A ENTRAR EM ALERTA LARANJA

Mäyjo, 24.12.16

poluicao-china

À meia-noite do dia 17 de novembro de 2016, Pequim ficou em alerta laranja por poluição, devido ao imenso manto que cobriu os céus da capital chinesa durante alguns dias.

 

Tudo consequência da concentração de partículas PM 2,5, as mais finas e suscetíveis de se infiltrarem nos pulmões, que no dia 16 atingiram as 165 microgramas por metro cúbico, valores muito acima dos recomendados pela Organização Mundial de Saúde, estabelecido em 25 microgramas.

Esta situação não é inédita na capital chinesa. Em Novembro de 2015, e ao longo de três dias, os valores de poluição na cidade rebentaram as escalas, ao atingir entre 450 e 666 microgramas. Mesmo com estes valores muito acima do recomendado, o alerta vermelho não foi decretado pelas autoridades locais. Depois de muita contestação local e internacional, só em Dezembro de 2015, e novamente com a cidade com níveis de poluição assustadores, foi decretado a alerta máximo.

Mas o que significa na prática este alerta laranja para a cidade? Há elevadas restrições no trânsito, com os carros a serem autorizados a circular apenas em dias alternado, consoante o número de matrícula; a população é aconselhada a permanecer em casa, em especial as crianças e idosos; as fábricas que mais contribuem para a poluição atmosférica são obrigadas a reduzir ou mesmo a parar a produção por alguns dias, e todas as actividades escolares ao ar-livre são canceladas.

Os alertas devem ser emitidos pelo menos 24 horas antes de a poluição alcançar o pico, com as autoridades locais desta vez a lançarem o alerta oficial à meia-noite de Pequim, 16 horas em Lisboa.

Foto: Wang Zhao – AFP